Envelhecimento saudável, o processo que precisamos garantir

Todos nós ficaremos velhos um dia, por isso precisamos garantir dignidade e respeito aos idosos de hoje e os de amanhã. Na matéria do hoje vamos analisar o envelhecimento saudável, especificamente o que é necessário para garanti-lo.

Índice interativo


Envelhecer é um processo fisiológico e inevitável que todos os seres humanos passarão um dia. Assim não só no ponto de vista constitucional (Estado), mas também na perspectiva familiar o amparo a pessoa idosa é obrigatório.

Hoje no blog do Grupo Life vamos pautar sobre o envelhecimento e como a Enfermagem é uma peça-chave para garantir que esse processo seja desenvolvido da melhor forma possível. Essa matéria se baseia em obras científicas, essas plenamente destacadas e referenciadas no texto.

O processo de envelhecimento

Durante a introdução dessa matéria discutimos previamente o processo de envelhecimento. Ao aprofundarmos sobre o assunto podemos descrevê-lo como um processo progressivo, onde há alterações biológicas, funcionais, psicológicas. Assim com o passar do tempo a pessoa perde certas capacidades.

Agora falando sobre esse assunto chegamos em uma fatídica conclusão, todos nós vamos envelhecer um dia e não há meios para evitar. Por isso temos que garantir que esse processo seja saudável. Para que isso aconteça ações devem ser tomadas, essas que resultem em uma expectativa de vida prolongada, como a manutenção das capacidades físicas, mentais e sociais.

Alguns indivíduos possuem visões deturpadas da posição do idoso na sociedade.

O idoso é sujeito-cidadão, produtivo, que tem deveres e o direito a uma vida que lhe garanta dignidade e qualidade no que diz respeito ao seu bem-estar, à ausência de risco e ao conforto.

(Gerontologia: atuação da enfermagem no processo de envelhecimento. 2005, p.6)

Leia também:
Como a área da saúde lida com a longevidade

Amparo a pessoa idosa

Cuidar dos idosos é uma responsabilidade coletiva, de todos. Como não só descrito na Constituição como também no estatuto do idoso o direito ao amparo e a saúde são responsabilidade do Estado. Familiares e instituições filantrópicas também devem fazer sua parte pela pessoa idosa.

Quando envelhecemos, nosso corpo e mente mudam. Logo nossas necessidades são alteradas também. As pessoas mais velhas são difíceis de entender, aceitar, suportar, ajudar e amar. Assim aqueles que estavam próximos acabam se distanciando, fazendo com que eles se tornem avarentos, ranzinzas e egoístas. Mesmo assim ainda são humanos e gostam de se divertir, dançar, participar de excursões programas e festas. Nesse momento da vida eles precisam estimular sua parte cognitiva, lendo, escrevendo; decorando nomes, números e letras de músicas.

A assistência à saúde no envelhecimento saudável

Após a humanidade passar a estudar sobre o envelhecimento saudável, áreas da saúde e da ciência começam a surgir.

Quando falamos de saúde na terceira idade o primeiro termo que vem a nossa cabeça é Geriatria. Ela é uma especialidade médica que visa atender as necessidades de saúde da pessoa idosa, como a prevenção, o tratamento de doenças e até os cuidados paliativos. A especialidade abrange desde a promoção de um envelhecimento saudável até a reabilitação do idoso. O Geriatra é um médico que se especializa no cuidado das pessoas na terceira idade.

Com certeza muitos já conhecem ou pelo menos já ouviram falar sobre Geriatria. Entretanto a nossa pauta de hoje é a Gerontologia.

Diferente da Geriatria a Gerontologia é uma área da ciência. Ela estuda o envelhecimento como um todo. Alguns aspectos que podemos pontuar são o fisiológico, patológico e social.

Abaixo está disposto um descritivo de algumas áreas de atuação da Gerontologia, essas informações foram retiradas do site da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Prevenção: propõe intervenções que se antecipem aos problemas mais comuns que afetam os idosos e orienta a criação de condições adequadas para um envelhecimento com qualidade.

Ambientação: orienta a criação de condições ambientais para uma vida com qualidade na velhice, focando os mais variados espaços por onde circulam ou vivem pessoas idosas.

Reabilitação: propõe intervenções quando ocorreram perdas que são resgatáveis e, quando irreversíveis, orienta a criação de condições individuais e ambientais para uma vida digna.

Cuidados paliativos: propõe intervenções quando ocorrem doenças progressivas e irreversíveis, abrangendo aspectos físicos, psíquicos, sociais e espirituais, com atenção estendida aos familiares, visando o maior bem-estar possível e a dignidade do idoso até a sua morte.

O papel da enfermagem no envelhecimento

Na perspectiva de Enfermagem a assistência ao idoso não se limita a parte teórica, mas sim está embasada na essência humana e na humanização dos cuidados.

Na assistência o profissional de enfermagem é quem está na ponta do cuidado, assim ele enxerga, age, interage e cuida do idoso. Como qualquer outro humano, as pessoas idosas precisam de atividades diárias que desenvolvam as funções cognitivas. Assim a elaboração da abordagem clínica deve ser dedicada a humanização do cuidado.

Quando trabalhamos visando a evolução do paciente precisamos registrar as ações realizadas e conseguir acessar os resultados dessas ações. Por isso a equipe na ponta do cuidado realiza registros diários da assistência, assim é possível enxergar se o plano de cuidados definido está funcionando.

A atenção domiciliar nos cuidados com o idoso

Seguindo o modelo de envelhecimento saudável que estamos pautando, a Atenção Domiciliar se torna a melhor abordagem quando se trata de manutenção da saúde do idoso. Um dos cenários que podemos citar é da Alta Hospitalar, onde o paciente atinge um quadro clínico que pode ser tratado em sua residência. Outros casos recorrentes são os cuidados com pacientes portadores de doenças crônicas, e a realização de uma assistência baseada em cuidados paliativos.

Sabemos muito bem que envelhecer ao lado de quem amamos é a melhor forma de descrever um envelhecimento saudável. Esse processo não deve ser doloroso nem solitário.

A modalidade de cuidado Home Care permite que o paciente seja cuidado ao lado de quem ele mais ama, sua família. A assistência busca garantir o melhor para o paciente e aos familiares nesse momento difícil. Os cuidados são baseados em um conjunto de práticas assistenciais que buscam amenizar as dores e sintomas da doença e em especial dando apoio emocional a todos.

Leia também:
Por que a experiência do paciente é tão importante?

Conclusão

Conclui-se que um envelhecimento saudável é fruto de ações conjuntas. O envelhecimento é um processo fisiológico que todos vão passar, por isso temos que garantir respeito e qualidade de vida para os mais velhos.

Como vimos na matéria muitas pesquisas hoje são feitas em relação ao envelhecimento. Essas pesquisas não se limitam ao estudo dos processos físicos e mentais do envelhecimento, também há muitos estudos sociais. Eles estudam o envelhecimento aos olhos da sociedade, com enfoque na aceitação e interação. Por isso temos que dar atenção a como o idoso se encaixa na nossa sociedade.


Notas & Fontes

Portal do Envelhecimento e Longevidade – O idoso e a família nos dias de hoje[acesso: 22/02/21, às 14:34]

SciELO – Envelhecimento e família: uma nova perspectiva para o cuidado de enfermagem[acesso 22/02, às 14:40]

Guida da Carreira – Gerontologia: conheça o curso e o mercado de trabalho [acesso: 22/02, às 15:25]

Revista Científica Online ISSN 1980-6957 v11, n1, 2019 – ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO [acesso: 22/02, às 10:45]

Gerontologia: atuação da enfermagem no processo do envelhecimento / [organizadoras] Nébia Maria Almeida de Figueiredo, Teresa Tonini. – São Caetano do Sul, SP : Yendis Editora, 2006.

 

Voltar ao Índice

Post anterior
A desinformação precisa parar, isso depende de você
Próximo post
Saúde mental ganha destaque durante a pandemia
Menu